sábado, 7 de março de 2009

Das volúveis sinestesias...

Toda vez que olho no espelho
a minha cara grita quem eu sou...
no entanto, meus ouvidos
nunca alcançaram as palavras,
e enquanto meu nariz aspira o sabor de minha existência
guardo na boca alguns sonhos inodoros...